Jardins e Moema têm o condomínio mais caro de SP



06.11.2019, Por: Redação Lello

Um levantamento realizado com base em uma amostragem de 1.100 condomínios, feito com base nos dados do mês de janeiro de 2019, mostrou que as regiões dos Jardins e de Moema possuem as cotas médias de condomínios mais altas da cidade de São Paulo.

O morador dos Jardins paga, em média, R$ 1.718,07 por mês de condomínio, enquanto o de Moema gasta R$ 1.716,61. A região do Tatuapé, na zona leste, concentra a menor cota média entre as pesquisadas: R$ 1.048,16.

Nas regiões da Vila Nova Conceição e Itaim Bibi, o valor médio do condomínio fica em R$ 1.650,95. No Morumbi, o preço é de R$ 1.574,76, segundo o levantamento da administradora. Já na região de Perdizes os boletos pagos pelos moradores têm média de R$ 1.302,68 mensais.

Na região da Vila Mariana o condomínio é de R$ 1.155,65, em média. Já na Mooca o valor fica em R$ 1.120,77. Em Santana, na zona norte, o valor médio é de R$ 1.083,20.

Nas regiões que concentram prédios com número reduzido de torres e de apartamentos, com muitos serviços, o que demanda maior número de funcionários e mais gastos com manutenção – a exemplo dos bairros dos Jardins e de Moema, na capital paulista -, o valor do condomínio tende a ser maior.

A maior despesa de um condomínio, correspondente a cerca de metade do total, é a folha de pagamento mais os encargos. Quanto menor o número de apartamentos, menor será o rateio e maior tende a ser o valor da cota paga pelos moradores.

Fora da capital

O estudo também levantou o valor médio da cota de condomínios em outras localidades de sua área de atuação, fora da capital paulista.

Na região do Grande ABC, a média paga pelos moradores de edifícios é de R$ 767,10 por mês. Na cidade de Campinas, o valor fica em R$ 783,00, enquanto na “vizinha” Jundiaí a média é de R$ 1.076,91.

Já na cidade do Guarujá, no litoral sul, o valor médio do condomínio é de R$ 999,87, ao passo que na Riviera de São Lourenço, no litoral norte, a cota fica em R$ 1.601,78.

 


A Lello é a maior administradora da vida em comum no Brasil, responsável pela gestão de cerca de três mil empreendimentos na capital paulista, ABC, Campinas, Jundiaí, Piracicaba e no litoral do Estado. Fundada em 1954, existem hoje cerca de um milhão de pessoas que vivem em locais administrados pela Lello. Sempre a procura de como a tecnologia pode melhorar e facilitar a vida em comum, a Lello tem uma séria de iniciativas que pioneiras que está alterando a forma como as pessoas enxergam suas comunidades.